';

Nota de Repúdio da ANAI sobre o povo Tuxá

05/12/2018

image.png
image.png
Inúmeras ilhas no então caudaloso Rio São Francisco asseguravam aos seus habitantes modos de vida muito próprios no sertão da Bahia. Conhecidos como “Tuxá de Rodelas”, em alusão ao município onde seu território tradicional se situava, os Tuxá eram, em meados do século XX, os maiores produtores de cebola da região, do mesmo modo que são conhecidos pela sua força ritual e pelo fortalecimento de uma rede de trocas étnicas e culturais, no sub-médio São Francisco e além.
O esbulho territorial e a política genocida do Estado brasileiro reduziram o território Tuxá a uma única ilha, a chamada Ilha da Viúva, referência de resistência para este povo. Ainda nos anos 1970, a implantação de um “programa de desenvolvimento para o Nordeste”, com ênfase na construção de barragens e hidrelétricas no Rio São Francisco, atingiu diretamente o povo Tuxá, que viu submergir, nas águas de um lago artificial, o que restava de seu território tradicional.
Em 1988, com a usina de Itaparica em início de operação, a Ilha da Viúva foi inundada juntamente com a sede do município de Rodelas. Três décadas se passaram e o povo Tuxá ainda aguarda medidas reparatórias pelo território submerso. Em finais de julho de 2017, os Tuxá retomam uma parte de praia do São Francisco — D´zorobabé — localizada na direção das antigas ilhas. Lá constroem malocas, revivem suas memórias e praticam seus rituais. O território tradicional D´zorobabé é a possibilidade real e concreta de reprodução biológica e sociocultural para o povo Tuxá.
O Programa de Pesquisas sobre Povos Indígenas do Nordeste Brasileiro (PINEB) e a Associação Nacional de Ação Indigenista (ANAI) repudiam a recente decisão do Juiz estadual José Carlos Rodrigues do Nascimento de tratar o território D´zorobabé como um imóvel privado, do qual os Tuxá deverão ser expulsos. É fundamental a imediata suspensão da reintegração de posse por ele determinada, sob pena de mais um irreversível
prejuízo se abater sobre o povo Tuxá.
Salvador, 05 de dezembro de 2018