Morre Eunice, mulher de Rubens Paiva e símbolo da luta contra a ditadura

13/12/2018

https://www.redebrasilatual.com.br/politica/2018/12/morre-eunice-paiva-simbolo-da-luta-contra-a-ditadura-civil-militar-no-pais

Viúva do deputado Rubens Paiva, desaparecido em 1971, ela também se destacou pela presença em lutas sociais

eunice paiva.jpg

Viúva de Rubens Paiva, político desaparecido em 1971, Eunice tinha 86 anos e deixa cinco filhos

São Paulo – Símbolo da luta contra a ditadura, Eunice Paiva morreu nesta quinta-feira (13), em São Paulo. Ela convivia há 14 anos com Alzheimer e tinha 86 anos. Deixa cinco filhos: Marcelo, Veroca, Eliana, Nalu e Babiu.

Eunice teve papel central na busca por informações sobre o paradeiro do marido, Rubens Paiva, ex-deputado desaparecido depois de ser preso, torturado e assassinado pela ditadura civil-militar no DOI-Codi no Rio de Janeiro, em janeiro de 1971. Ela estou Direito no Mackenzie, já depois da viuvez. Tornou-se advogada e se engajou em lutas sociais e políticas, como as causas indígenas, nos anos 1980 e 1990.

Um dos filhos do casal, o escritor Marcelo Rubens Paiva, narrou a história de sua mãe no livro Ainda Estou Aqui, de 2015.

Em nota divulgada hoje, o Instituto Vladimir Herzog lamentou a morte de Eunice. “Talvez não por coincidência, Eunice morre no dia em que a promulgação do AI-5 completa 50 anos: um protesto de quem nunca deixou de lutar por um país democrático, mais justo e que garanta o direito a memória e justiça a todos os seus cidadãos”, afirma o IVH.

A ex-presidenta Dilma Rousseff citou Eunice como uma combatente, entre as que denunciaram os assassinatos e abusos cometidos pela ditadura, “que permanecem vivas e cheias de força em nossos corações”. Em nota, Dilma escreveu: “Este 13 de dezembro, que em 1968 pintou de cinza o Brasil, é uma data triste, mas é simbólico que seja neste mesmo dia que assistimos à passagem de Eunice Paiva”.

Annie Genevois

Ontem (12) morreu Annie Genevois. Era uma das filhas de Margarida Genevois, ativista histórica dos direitos humanos e presidente de honra da Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo.

Com informações do Instituto Vladimir Herzog