Indio kayapó é morto a facadas em Ourilândia do Norte: boato de invasão agita cidade

29/12/2018

Fonte:http://www.ver-o-fato.com.br/2018/12/indio-kayapo-e-morto-facadas-em.html

O assassinato de Djoko está sendo investigado pela polícia local

A Polícia Civil, em Ourilândia do Norte, trabalha para elucidar o assassinato de um indígena, trucidado a golpes de faca na noite de ontem, sexta-feira, 28. Djoko Kayapó, 24 anos, conhecido como Pio, levou mais de 12 facadas, a maioria delas na cabeça. O crime ocorreu em uma via pública do Setor Liberdade de Morar, mas, somente na manhã deste sábado, 29, moradores do local informaram ao comando da Polícia Militar que havia o corpo de homem jogado na rua com vários ferimentos.
Uma guarnição da PM foi até o local e constatou a veracidade da informação. De acordo com informações levantadas pela polícia entre os moradores das proximidades, o crime ocorreu por volta das 20h, quando ouviram latidos e agitação de cães. Ninguém, entretanto saiu à rua para verificar o que estava acontecendo.

Para quem viu o coroo do indígena de perto, os golpes demonstram que o assassino estava furioso, talvez com muita raiva. A polícia não descarta a possibilidade do criminoso ter utilizado um facão, devido a profundidade de alguns golpes.

Represália dos índios? Cacique desmente

Djoko Kayapó pertencia à aldeia Thuredja, localizada a 30 quilômetros da área urbana de Ourilândia, comandada pelos caciques Kopatore Kayapó e Tututire Kayapó. O assassinato causou certa apreensão em moradores da cidade, por temerem alguma represália por parte da comunidade indígena pela morte do guerreiro.

Lideranças indígenas que foram até o necrotério do hospital para onde o corpo foi levado, disseram que querem que a polícia encontre o responsável ou responsáveis pelo assassinato. Os índios ameaçam fazer uma manifestação na cidade caso o crime não seja elucidado.

O Comando do 36° Batalhão de Polícia Militar entrou em contato com os caciques e com representante regional da Fundação Nacional do Índio (Funai) para acompanhamento e controle, uma vez que, em um áudio postado no WhatssApp, uma pessoa que se identifica como um dos caciques afirma que os índios estariam revoltados e promoveriam desordens na cidade. O cacique Kopatore, entretanto, desmentiu a informação e afirmou que o áudio é um fake.

Informações colhidas na cidade dão conta de que Pio já não morava mais na aldeia e sim na cidade, ingeria bebida alcoólica e chegou a causar várias ocorrências policiais, em função de brigas e desordens. Uma das linhas da investigação da Polícia Civil é a de que ele teria sido assassinado justamente por uma dessas desavenças. Fonte: Blog do João Carlos, com informações do repórter Jucelino Show, de Tucumã. Imagens: Redes sociais)