';

A Tragédia crime de Mariana e do rio Doce – Para não esquecer mesmo

19/12/2018

Por Darlan Correa Dias (atingido de Governador Valadares-MG)

Fonte: http://jornalasirene.com.br/cultura-memoria/2018/11/13/o-rio-fantama
noticias
Trecho do Vale do rio Doce com as marcas da lama tóxica em Conselheiro Pena- Região das antigas terras TakrukKrak e Kuparak (Médio Vale do rio Doce/MG). Foto: Alenice Baeta/CEDEFES.

 

O rio que corria à frente da Ibituruna
morreu!
Era volumoso,
Generoso,
Sinuoso.
Não negava peixes aos ribeirinhos,
e sua profundidade permitia navegação.
O rio que corria à frente da Ibituruna
morreu!
Era intempestivo,
genioso,
espaçoso.
Quando chovia muito,
transbordava e invadia tudo.
O rio que corria à frente da Ibituruna
morreu!
Era pródigo,
dadivoso
grandioso.
Abastecia centenas de cidades.
O rio que corria à frente da Ibituruna
morreu!
Era morada de muitos!
Aconchegante,
Amoroso…
Gostoso!
Tão amado, foi batizado de Doce!
O rio que corria à frente da Ibituruna
foi assassinado!
Seu sangue
vermelho,
castanho,
marrom,
vai arrastando-se morosamente em seu leito.
O rio que corria à frente da Ibituruna
foi violado!
Seu fantasma agora geme
Agoniado,
desesperado,
olvidado.
Pois quem o feriu, foi inocentado!

 

 

Poema premiado no I Concurso Literário UNIVALE